Projeto do CTI busca forma de matar mosquito da febre amarela e da dengue


Este projeto, demandado e supervisionado diretamente pela Diretoria do CTI, vem sendo desenvolvido em conjunto por vários pesquisadores da instituição há alguns anos, principalmente com a participação do Núcleo de Mostradores de Informação (NMI) e da Coordenação de Laboratório Aberto do CTI (COLAB).  O projeto busca dar uma resposta do Governo Federal para os casos crescentes de doenças transmitidas por mosquitos.

Muitos grupos de pesquisa pelo mundo estão buscando formas de eliminar pragas voadoras sem a necessidade de emprego de substâncias tóxicas. O uso de laser para esse fim foi primeiramente demonstrado por um grupo de pesquisa americano que gerou o spin-off da Intellectual Ventures.

Através da atuação do pesquisador da FACTI, Ângelo Brandão Benetti, especialista em simulações 3D, o CTI desenvolveu o vídeo que demonstra, através de imagens reais e simulações, a tecnologia que está em estudo: Assista ao vídeo clicando aqui

O vídeo apresenta alternativas de baixo custo para identificar insetos em vôo a partir das características das batidas de asa.

Além de mostrar resultados de laboratório de identificação de insetos, o vídeo apresenta, também, uma simulação de um possível futuro dispositivo capaz de abater os mosquitos a partir de feixe de laser. Pelo menos dois modos de funcionamento estão sendo avaliados e podem ser vistos no vídeo.

Uma possível forma de aplicação, ainda em estudo, é a integração às molduras de janelas, como exemplificado no vídeo. Há outras formas possíveis de utilização que ainda estão em avaliação. O dispositivo pode ser utilizado, também, como forma de identificação da presença de mosquitos, visando um melhor manejo.

Essa tecnologia tem potencial de impacto nas áreas da agricultura e saúde pública, como a identificação e controle de pragas, otimização do uso de defensivos agrícolas e profilaxia de ambientes comerciais e residenciais.

O vídeo traz experimentos preliminares realizados em laboratório do CTI que permitiram mostrar que o sistema é capaz de identificar o tipo de inseto a partir da interação de luz infravermelha com as estruturas da asa (obstrução e reflexão).

O modelo final, incluindo o laser de potência para abate do mosquito, ainda está em desenvolvimento. 


Contato: victor.mammana@cti.gov.br

 

Participantes do Projeto:
Victor Pellegini Mammana
Ângelo Brandão Benetti
Jilian Nei de Freitas
Antonio Carlos Camargo do Amaral
Natanael Lopes Dias
Luiz Alberto Canettieri
Nilsa Toyoko Azana (Colaboradora Externa)


Nota: a simulação 3D foi integralmente desenvolvida por Ângelo Brandão Benetti, pesquisador da FACTI e colaborador do CTI. O vídeo foi editado com base em imagens de Laboratório obtidas por Luiz Alberto Canettieri.

A participação de Luiz Alberto Canettieri foi financiada, por meio de bolsa PCI, pelo CNPq. 

PS - O projeto está aberto para pessoas interessadas em participar e contribuir. São especialmente bem-vindos profissionais da área de tratamento de sinais, ecologia, biologia, agronomia, física, engenharia elétrica, engenharia mecânica, dentre outros.

É importante ressaltar que NENHUMA das possíveis formas de emprego em avaliação indicam que a eliminação de criadouros poderia ser substituída pelo simples abate de indivíduos adultos. A eliminação de criadouros permanece sendo a forma mais efetiva de combate.