CTI Renato Archer participa de reunião dos BRICS


Imagem de grupo em pessoas em mesa de reunião O pesquisador e diretor substituto do CTI Renato Archer, Roberto Ricardo Panepucci, representou o Instituto de pesquisa na 9ª Reunião de Altos Funcionários de C&I do BRICS e na 7ª Reunião Ministerial sobre Ciência, Tecnologia e Inovação do BRICS, eventos realizados entre os dias 18 e 20 de setembro, na cidade de Paulínia (SP).  

Dentre os assuntos tratados nas duas reuniões, estiveram a criação da Rede de Inovação do BRICS (iBRICS Network), a avaliação e adoção do Plano de Trabalho 2019-2022 e o estabelecimento de uma nova estrutura para a cooperação em ciência, tecnologia e inovação no âmbito do grupo, que é formado pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

As resoluções e temas discutidos nas atividades preliminares foram apresentadas na reunião de ministros e serviram de subsídio para o debate e a produção da declaração final do encontro, que foi divulgada em uma coletiva de imprensa.

Além do diretor Panepucci, o CTI também foi representado pelo Coordenador do Laboratório Aberto e Parque Tecnológico (COLAB) e pesquisador, Fernando Ely.

BRICS

O BRICS é o agrupamento formado por cinco grandes países emergentes - Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Segundo as estimativas do FMI, os cinco países geraram 22,53% do PIB mundial em 2015 e contribuíram com mais de 50% do crescimento econômico mundial nos últimos 10 anos. No campo científico e tecnológico, os BRICS contribuem com 17% do investimento global em P&D e com 27% dos artigos científicos publicados nos periódicos internacionais.

Além dos encontros presidenciais (cúpula e encontro informal à margem do G20), o BRICS organiza, por meio de sua presidência rotativa, 15 reuniões em nível ministerial que abrangem áreas como Relações Exteriores, Finanças, Saúde, Comércio, Agricultura, Comunicações, Ciência, Tecnologia e Inovação, entre outros.

Ao longo de 2019, o Brasil exercerá a presidência de turno do BRICS. A ênfase da presidência brasileira será na promoção de ciência, tecnologia e inovação; da economia digital; do aumento dos contatos entre o setor produtivo e o NDB; e no reforço da cooperação no combate a crimes transnacionais. Além disso, estão programados dezenas de eventos acadêmicos, esportivos, culturais e artísticos ao longo de todo o ano.

 

Grupo de representantes, em pé, em fila, junto às bandeiras dos BRICS