Entre os dias 18 de maio e 31 de julho de 2013, acontecerá, em Curitiba, nas dependências do Museu Egípcio e Rosacruz, a exposição “Faces da Evolução”, onde serão apresentadas aproximações faciais forenses e réplicas de fósseis que compõem o acervo do museu Arqueológico de Ponta Grossa, Paraná.

O InVesalius esteve presente em boa parte do processo, auxiliando na reconstrução de fósseis incompletos e oferecendo referências para a modelagem de ancestrais mais recentes.

Para a reconstrução de dois hominídeos do gênero Australopithecus e outros dois do gênero Homo, foram utilizadas as reconstruções dos tomogramas de um Pan troglodytes (chimpanzé) e de um homem moderno, tanto dos ossos quanto da pele. A malha tridimensional gerada no InVesalius foi, posteriormente, exportada para o Blender (software de modelagem e animação), em que adequações foram feitas para que servissem como referência para a reconstrução facial dos espécimes.

Em outra parte dos trabalhos, o processo foi o inverso. Um tomograma falso, criado no Blender, foi reconstruído no InVesalius, gerando, ao final, uma malha tridimensional limpa do crânio recuperado da criança Taung (A. africanus), configurado para ser impresso em 3D.

Além do Museu Egípcio e Rosacruz e do Museu Arqueológico de Ponta Grossa, participaram do projeto integrantes de associações e instituições italianas, como o design 3D Cícero Moraes da Arc-Team (arqueologia/antropologia), o Dr. Moreno Tiziani, da Antrocom Onlus (associação de antropologia) e o Dr. Nicola Carrara, do Museu de Antropologia da Universidade de Pádua.

Esse projeto ampliou a presença do InVesalius na Europa, pois o software passou a integrar a lista de programas oficiais da distribuição ArcheOS Linux, mantida pelo grupo Arc-Team e voltada à arqueologia. Ao acompanhar as soluções criadas nas reconstruções faciais feitas durante o processo, o museu Heritage Malta, do país europeu de mesmo nome, passou a utilizar o InVesalius em um de seus projetos ligados à egiptologia.