Prof.ª Dr.ª Isabel Rodrigues Sanches da Fonseca

Publicado: Sexta, 08 de Julho de 2016, 15h41

Capacitação aconteceu nos dias 12 e 13 de maio na Unicamp

O tema “Inclusão da Pessoa com Deficiência” foi abordado no minicurso: “Inclusão e Educação: olhar a 'diferença' numa perspectiva inclusiva”, ministrado pela Prof.ª Dr.ª Isabel Rodrigues Sanches da Fonseca, professora na área das Ciências da Educação, na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, em Lisboa e autora dos livros: “Inclusão Educativa e Gestão Escolar.

A colaboração do Professor de Apoio Educativo com a Gestão da Escola” e “Procurando Indicadores de Educação Inclusiva: as Práticas dos Professores de Apoio Educativo” e artigos científicos dentro da temática Educação, Educação Especial e Educação Inclusiva.

A visita da Prof.ª Dr.ª Isabel ao Brasil foi organizada pelo Projeto de Pesquisa “Alunos com deficiência no contexto da inclusão escolar: construindo um outro paradigma de escola”, dos programas de pós-graduação stricto sensu em educação da Universidade Metodista de Piracicaba e da Universidade São Francisco, mas se estende a outras instituições de ensino superior convidadas: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e Centro Universitário Moura Lacerda (CUML) que recebeu o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

A pesquisadora Janaina Francisco do Centro Nacional de Referência em Tecnologia Assistiva (CNRTA) que atua com um projeto de pesquisa relacionado à inclusão escolar participou desta capacitação. O curso discutiu a evolução do conceito de inclusão, a diferença que existe entre a teoria e prática das ações inclusivas, a importância de considerar o aluno com todo o seu contexto – familiar, socioeconômico, cultural, geográfico, entre outros – e de trabalhar interdisciplinarmente com todos os profissionais que atendem esse estudante. O grupo debateu as diferenças do processo inclusivo no Brasil e em Portugal.

A Professora Isabel observou que a realidade da inclusão ainda não é perfeita e há muito para melhorar, tanto em Portugal quanto no Brasil. Mesmo assim, ela sugere que não se pode esperar que a realidade seja perfeita para trabalhar com a inclusão, pois só com a prática que é possível saber quais metodologias e recursos é preciso ter para que a inclusão seja efetiva. Para a professora Fonseca, “esperar até que a realidade seja favorável seria o mesmo que comprar uma cadeira de rodas esperando que um dia seja necessário usá-la”.